Todos os posts de pethistoriausp

Seleção de novos bolsistas PET-História USP 2017

Edital do processo seletivo para bolsistas para o PET História USP de 2017:

Edital Seleção PET 2017

OBS: o edital informa a disponibilidade de duas vagas, porém teremos mais uma, totalizando duas vagas de ampla concorrência e uma vaga PPI.

cartazdeselecao_att

Anúncios

Sobre o PET-História/USP

     O Programa de Educação Tutorial é um programa federal criado e implantado em 1979. O PET-História USP, no entanto, foi criado em 1995 pelo Professor Instvan Jancsó. É um programa que segue a seguinte estrutura: 12 membros bolsistas + 1 professor tutor. Cada PET é livre para ter ou não membros colaboradores e definir quantos serão. Nós do PET História estabelecemos o limite de 6 colaboradores .

     Ele é um programa que visa à formação integral de cada membro. Ele segue o tripé: pesquisa, ensino e extensão, e os considera como indissociáveis. Ou seja, esses três âmbitos resumem os aspectos de formação que a graduação deveria garantir e não devem ser vistos como separáveis. Ou seja, acreditamos que não exista extensão universitária sem pesquisa e ensino ou ensino sem pesquisa e extensão, etc. Assim, nossos trabalhos e projetos não seguem temas específicos pré-determinados e impostos. Ao contrário, os elaboramos a partir de demandas do grupo.

     Todos os trabalhos realizados pelo PET são de caráter coletivo. Cabe destrinchar os desenvolvidos no momento:

 

          Revista Humanidades em Diálogo

     A Revista Humanidades em Diálogo é editada por quatro grupos PET de humanidades da USP Campus São Paulo: Ciências Sociais, Direito, Filosofia e História. Esta atividade permite, por seu caráter interdisciplinar, o contato constante com outros grupos e áreas do conhecimento, bem como o crescente aprendizado em todas as etapas de produção da revista. Trata-se de uma excelente oportunidade para a interação mais assídua entre os bolsistas e os alunos de graduação, pós-graduação e doutores graduados em geral. Afinal, a publicação é voltada exclusivamente para os trabalhos dos graduandos, com pareceres de doutores ou doutorandos das humanidades.

      Fase atual do projeto: Balanço do lançamento do Volume VIII

      Links: https://humanidadesemdialogo.wordpress.com/       https://www.facebook.com/humanidadesemdialogo/

          Grupo de estudos: “Luta Antimanicomial”

     A luta antimanicomial no Brasil surgiu a partir da necessidade de se combater preconceitos e estereótipos associados a doenças mentais, bem como garantir a estas pessoas os seus direitos fundamentais garantidos e que sejam acolhidos, tratados e cuidados de forma digna e sem ferir esses direitos. Ainda que a luta antimanicomial tenha avançado, com resultados significativos a partir da agência de pessoas ligadas a esse meio (como Nise da Silveira), nós, do PET-História, acreditamos que ainda existe muito a se avançar no que diz respeito ao preconceito e às formas de tratamento que envolvem as doenças mentais, uma vez que procedimentos envolvendo choques e outras formas nocivas à saúde e à integridade ainda são comuns nesse meio.

      Fase atual do projeto: Discussão de Textos

          Portadores de HIV – Da epidemia dos anos 80 aos dias atuais

     O projeto surgiu a partir da apresentação do seminário “O movimento LGBT e a AIDS no Brasil: da epidemia a institucionalização” em 2015. Ao constatar o alto nível de invisibilidade da história LGBT, assim como da histórica luta de diversos outros grupos por reconhecimento, luta de direitos e contra a AIDS, compreendemos que é de suma importância a reconstituição da história do período. Encontramos a possibilidade de suscitar o debate sobre a formação do estigma contra os portadores dos anos 70/80/90 (que se atrelava ao ser homossexual/transexual) e a formação do estigma hoje (em parte,enclausurado na figura do “ser portador”), utilizando-se da história como ferramenta que suscita discussões e permite criar um amplo espectro de análise entre passado e presente.

      Fase atual do projeto: Gravação das entrevistas

          Atividade – Seminário Aberto

     Iniciado em 2010, o ciclo de seminários é uma atividade realizada anualmente por duplas de alunos bolsistas do PET História. O objetivo destes encontros é discutir obras diversas de maneira mais aprofundada, como filmes, obras literárias, artísticas, historiográficas ou do pensamento político de qualquer tempo e espaço.

          Publicação dos Anais do V EPEGH

     O Encontro de Pesquisa na Graduação em História-EPEGH ocorreu em outubro de 2016,com mais de noventa inscrições de trabalhos científicos dos alunos da graduação em História, não só da universidade de São Paulo. O presente projeto visa, assim, organizar os artigos apresentados oralmente pelos inscritos, formatá-los dentro dos padrões estabelecidos no universo acadêmico e, por fim, realizar a publicação científica dos Anais do Encontro. Trata-se de uma ação que visa não apenas a publicação, e isto já é relevante,mas também maneira de o PET-História estimular a prática da pesquisa científica entre os alunos da graduação e, com isto, manter-se em consonância com as metas do Projeto Político Pedagógico do Curso de História-USP.

      Fase atual do projeto: Diagramação do Livro/Anais

          Semana de História

     Tendo em vista o isolamento da Universidade em relação ao restante da sociedade, pretendemos desenvolver em 2017 a I Semana de História – USP. Serão escolhidas algumas escolas públicas, entre 4 e 5, e a partir de um tema geral decidido pela organização da Semana, os alunos e professores das escolas deverão elaborar apresentações de acordo com seu entendimento do tema proposto. Duas pessoas da organização da Semana ficarão responsáveis pelo acompanhamento dos trabalhos por escola, porém será dada total autonomia aos alunos e professores no desenvolvimento do projeto. Ao final do ano, entre o final de outubro ou início de novembro, as escolas irão apresentar seus trabalhos na USP,no prédio da Faculdade de História e Geografia. Optou-se por atuar com escolas do EJA e com a ajuda de colaboradores. O tema desse ano é: “Quem vive de passado é museu?”

      Fase atual do projeto: Acompanhamento das escolas

          Palmares: legado, memória e identidade

     Por o projeto tratar da questão do legado, da memória e da identidade, tem-se como guia pautar a atividade no tripé desenvolvido pelo PET História, em consonância com o Projeto Político Pedagógico do curso de História-USP, a saber: pesquisa, ensino e extensão universitária. A pesquisa se direciona a investigar como a memória da “Respública” dos Palmares é tratada na historiografia. No ensino, trata-se de identificar a construção do ensino da disciplina de Cultura Palmarina no município de União dos Palmares – AL e sua relação com as leis 10.639/2003 e 11.645/2008 – obrigatoriedade do ensino de História afro-brasileira e indígena no currículo básico. Quanto à extensão universitária, trata-se de como o legado da memória de Palmares repercute em diversos grupos e movimentos sociais

      Fase atual do projeto: Discussão de textos

          Organização da Biblioteca e Arquivo PET-História/USP

     A necessidade de organizar a biblioteca e o arquivo do PET-História se deu por acreditarmos na importância da difusão do nosso acervo, tanto para os próprios petianos quanto para alunos da graduação e pós-graduação da Universidade de São Paulo e de outras universidades. Muitos dos livros e filmes presentes no acervo do PET-História não se encontram disponíveis nas bibliotecas universitárias. O arquivo documental armazenado na sala do grupo PET é de suma importância para registro da história do curso de História e da Universidade de São Paulo em geral

      Fase atual do projeto: Levantamento dos documentos presente no arquivo

 

     Assim, o PET-História é um grupo que busca sair da universidade, se envolver verdadeiramente com o restante da sociedade, com seus projetos de extensão, mas também manter uma relação estreita com o Departamento e com o restante dos estudantes. Assim, sempre nos preocupamos em apresentar nosso grupo, apresentar nossos trabalhos (como os seminários) e realizar outros apresentações voltadas aos integrantes do departamento (como a Semana da Mulher Negra e Latino-Caribenha). Dessa forma buscamos envolver o restante dos alunos e sempre apresentar o que estamos fazendo.

     Por último, é importante ressaltar que o mais intrínseco do grupo é o seu caráter coletivo. Todos os projetos e trabalhos assumidos são fruto da discussão e da decisão do grupo. Dessa forma, todos os projetos estão abertos a alterações ou cancelamentos e há sempre a possibilidade de proposição e realização de novas ideias e trabalhos. Preza-se,assim, o respeito mútuo e o diálogo entre as diferentes opiniões e atitudes (desde que essas não firam a integridade do outro).

      Tutor: Maria Cristina Cortez Wissenbach
Membros:

  • Aline Porfirio
  • Bruna Fernanda Vieira
  • Daniela Ferrari
  • Eduardo Rosa
  • João Vitor Barbosa
  • Luana Spósito
  • Rafael Cruz
  • Rafael Macedo
  • Rafael Mastronardi
  • Raphael Gonçalves
  • Tailane Machado
  • Thiago Kenji Garcia

Programação EPEGH (atualizada)

PROGRAMAÇÃO GERAL – V EPEGH – 2016

 

Quinta-feira, 20 de outubro de 2016

10h – 10h45: MESA DE ABERTURA (Auditório da História)

Sala 10 CAPH Sala 15 (JBC) Sala 16 Cátedra
 

11h-12h45

MESA 1

Governantes e gestão política

MESA 2

Representações culturais

MESA 3

Disputas Políticas na Imprensa

Mediação A confirmar A confirmar A confirmar
14h-15h45 MESA 4

Opressões e Resistências

MESA 5

Teatro e Literatura

MESA 6

Cidades e Modernidade I

Mediação A confirmar A confirmar A confirmar
 

16h-17h45

MESA 7

Identidade e Representação

MESA 8

História da educação

MESA 9

Iconografia e Cultura Material

Mediação A confirmar A confirmar A confirmar
 

19h-20h45

MESA 10

Ensino de História da África e indígena

 

 

 

 

 

 

 

 

Mediação A confirmar

 

Sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Sala 13 Sala 14 Sala 16 Sala 10 CAPH
 

 

9h – 10h45

MESA 24

Festejos e Sociabiliza-ções

MESA 11

Gênero: Representação do Feminino

MESA 12

Cinema: Práticas e representações

MESA 13

Crenças e práticas religiosas

MESA 14

Formação e Expansão dos Impérios Ibéricos

Mediação A confirmar A confirmar A confirmar A confirmar A confirmar
 

 

11h-12h45

 

 

MESA 15

Economia, escravidão e política no Brasil do

XVII ao XIX

MESA 16

Debates ideológicos no século XX

MESA 17

Cidades e Modernida-de II

MESA 18

Saúde e Ciência

Mediação A confirmar A confirmar A confirmar A confirmar
 

 

 

14h-15h45

 

 

MESA 19

Delimitação de Fronteiras Territoriais e de Poderes

XVII ao XIX

MESA 20

Instrumentos de ensino de história

MESA 21

Memória e Preservação

MESA 22

Da opressão à independência

 

Mediação

A confirmar A confirmar A confirmar A confirmar
 

16h-17h45

MESA 23

Música e Política

Mediação A confirmar
 

19h-20h45

MESA 25

Gênero: Mulheres na História

Mediação A confirmar

 

ÍNDICE DE APRESENTAÇÕES

Mesa Nome Apresentação
 

2

 

Adriana Pereira Matos

500 filmes sem ela: as mulheres e a ausência de concretude em suas representações cinematográficas
 

18

 

Adriana Silva

Negros na saúde: as experiências de trabalhadores afrodescendentes na saúde pública em Florianópolis no último quartel do século XX
17 Alexandre Duarte Bassani; Thomáz Fortunato O Rio nas fotografias de Augusto Malta: imagens de uma cidade em “regeneração”
4 Amancio Lage Lourenço A ditadura venceu em Santos
25 Ana Beatriz Maua Correspondências entre Gabriela Mistral e Victoria Ocampo, 1949 – 1956
11 Ana Carolina Pedroso Alteparmakian O romance e a mulher na Idade Média: análise do gênero e escrita sobre o feminino
4 Ana Paula Santana Bertho “Nós vamos festejar o que?”: O Primeiro de Maio e a reorganização do operariado (1968-1984)
 

13

Angélica da Cruz Bernardo; Samantha Carvalho Luz O Movimento “A Morte de Deus” sob a ótica do Cardeal Scherer: ocultismo e religião em Campanha da Princesa – Minas Gerais (1960-1974)
 

 

5

Clarissa Silvestre Pedro; Jean Gomes de Souza; José Bento de Oliveira Camassa; Luis Henrique Couzenn Magalhães; Thomáz Fortunato  

 

A Novela do Grasso Entalhador e o Renascimento: Racionalidade, Narrativa e Experiência

15 Beatriz Nowicki Galera A escravidão em perspectiva nas obras de Vieira, Benci e Andreoni
20 Beatriz Tadioto Ferreira Silva Lugares da história no ensino da arte: atendimento de grupos em visita ao MAC-USP
 

 

 

 

 

 

10

Beatriz Tadioto Ferreira Silva; Clarissa Silvestre Pedro; Jean Gomes de Souza; João Vitor Guimarães Barbosa; Livia de Brito Arruda; Luana da Silva Spósito; Luiz Gustavo Ramaglia Mota; Lucas Oliveira Marcílio Henriques dos Santos; Tailane Machado Santos; Thaís Guimarães Murillo Zamora; Thiago Kenji Nakamura Garcia; Thomáz Fortunato  

 

 

 

 

Ressignificando São Paulo: uma experiência no ensino de História da África

 

12

Bruna Fernanda Vieira Silva; Filipe Travanca Pinheiro; Luana da Silva Spósito; Rafael Carlos Lima Oliveira  

Portadores de HIV: Da epidemia dos anos 80 aos dias atuais

4 Bruna Mariana dos Santos A trajetória de Prestes
3 Bruna Oliveira da Silva Lei de 1846: O debate na imprensa do Rio de Janeiro
 

15

Bruna Tsarbopoulos de Resende O consumo de cachaça nas vilas de São Paulo nos séculos XVIII e XIX: o recrudescimento da distinção social através da bebida
1 Bruna Tsarbopoulos de Resende As representações de poder na dinastia merovíngia: o caso da rainha Aregonda
22 Caio Fabiano Lopes do Valle Souza Cartas de Moçambique: relatos de opressão colonial entre 1962 e 1967
 

10

Carol Lima de Carvalho; Ticiane Caldas de Abreu O ensino de história de Áfricas em Santa Catarina: questões e
perspectivas
7 Caroline Santos Souza As representações da morte nas sociedades medievais a partir dos romances arturianos
15 Claudemir Carlos Pereira Pensamento político e militância abolicionista de Luiz Gama
24 Daniel Sean Bosi Concagh Zicartola e Paulinho da Viola – sociabilidade do samba e construção de narrativas (1963-65)
6 Daniela Maria da Silva O porquê e as consequências da Emancipação de Cubatão
3 Edson Bossonaro Júnior O Brasil do New York Times: Segunda Guerra Mundial e Política da Boa-Vizinhança (1938-1942)
9 Felipe Leonardo Ferreira Distribuição espacial dos santuários de Atena em sítios gregos da Sicília arcaica
9 Felipe Vieira Frazão Silva Os capitéis do claustro catedralício de Elne: conceitos de retórica na imagem medieval
11 Fernanda Loch Boudica: Representação e imaginário na obra literária da guerreira celta
18 Filipe Dantas de Oliveira Jota O Fruto Proibido – a eugenia e sua origem na Inglaterra do século XIX
2 Filipe Travanca Pinheiro A representação do vampiro na cultura popular
 

 

13

 

 

Gabriel Cardoso Bom

Sobre a Descrença Selvagem: O problema da credulidade indígena através de uma análise comparativa entre as obras de Bartolomé de las Casas (1474 – 1556) e José de Acosta (1540 – 1600).
13 Gabriel Rodrigues Sanches Cordeiro Paulo Orósio e o Saque de Roma (410)
20 Gabriel Silva Ramos Zani Os saberes experienciais no ensino de História
1 Gilmar Luiz Ballestrim Ferreira de Brito O genoma político ideal de um governante em Tito Lívio
12 Gilmar Luiz Ballestrim Ferreira de Brito “Terra em Transe”: o transe e o trânsito do Cinema Novo de Glauber Rocha
23 Guilherme Mendes Cruz Silva Odair José: O repórter da música “cafona”
24 Guilherme Trevisan dos Santos Redes de sociabilidades musicais em São Paulo no início do século XX
7 Gustavo de Freitas Sivi Os tabletes de Vindolanda: um estudo de caso de identidades de fronteira
21 Gustavo Nazario Ferreira Nunes As atas de Santo André da Borda do Campo e de São Paulo: reprodução digital e edição
25 Janaina Sepanhaki Opuchkevich Biografia(s) de mulher(es) guerreira(s) no Brasil (XVI-XIX)
 

11

 

Jessica Brisola Stori

Carolina de Jesus: representações de gênero e de classe social na obra quarto de despejo: diário de uma favelada (1955-1960)
6 João Carlos de Araújo Ribeiro A história do futebol em Santos
23 João Paulo Martins Faria Música, política e Civil Rights nos Estados Unidos (1962-1966)
9 Jonas Santos Lemos Os prodígios nas Histórias de Gregório de Tours e no livro IV das Crônicas de Fredegário
1 José Francisco Sanches Fonseca A gestão pública em Adalardo de Corbie
 

21

José Francisco Sanches Fonseca; Luiz Gustavo Ramaglia Mota Quem eram os Sesmeiros de São Paulo? Construção de banco de dados com as cartas de sesmarias da Capitania de São Paulo, século XVII a XIX
 

13

 

Júlia Vieira de Oliveira

Jesuítas na América e na África: análise das descrições de ritos e cerimônias em textos jesuítas de fins do século XVI e início do XVII
5 Juliane Cristine Dias de Barros Jankowski Nkali: Representações de gênero e de raça em Americanah, de Chimamanda Adichie (1990-2013)
21 Karoliny Aparecida de Lima Borges “Acabou o papel”: práticas de memória e preservação em arquivos não institucionalizados
20 Kleber Costa Timoteo A imagem no livro didático: alguns aspectos
 

16

 

Laíza Santana Oliveira

Ultradireita e ultranacionalismo: o futebol sérvio e croata nos contextos de guerra e pós-guerra Iugoslava (1990-2013)
 

17

Larissa de Carvalho Nascimento A representação e a construção do Urbano e da Urbanidade em Anhaia Mello e Prestes Maia (1918-1934)
5 Laura Maria Marques da Fonseca Bohumil Hrabal por uma literatura menor
 

8

 

Laura Stocco Felicio

A instrução dos ingênuos: a Lei do Ventre Livre e a educação dos negros no Brasil Império (1871-1888)
 

19

 

Leandro Possadagua

Os Projetos Integrados de Colonização de Iguatemi e de Sete Quedas: Colonização da fronteira oeste brasileira, esbulho territorial e a ocultação dos povos Guarani e Kaiowá
8 Leonardo Vinicius Brisola Barbosa Evolução ideológica dos planos de ensino de história nas escolas secundárias da China: 1978-2000
 

 

15

Lucas da Costa Mohallem; Mathias Patricio Eichbaum; Roberto de Oliveira Ribeiro Mifano; Thiago Kenji Nakamura Garcia  

Crime, Justiça e Espaço: Uma análise do universo vocabular dos Processos-Crime de Vassouras. C. 1830-1870

3 Luccas Eduardo Castilho Maldonado Os periódicos comunistas diante do golpe
14 Marcel Franco Lopes A conquista espanhola do Império Inca (1532-1572)
19 Maria Beatriz Correa Neves A pena e o cocar: escrita e ação política Guarani nos Trinta Povos das Missões
6 Maria Fernanda Bertholdo Brito Vieira Entre os espaços que habitam a cidade: o que há entre o sujeito e o muro?
 

7

 

Marina Duarte Sanchez

Construções identitárias no Mali medieval: arqueologia funerária no sítio de Gao-Saney (séculos IX-XIII)
 

6

 

Mateus Muzulon Braga

Ecos da Industrialização: os processos de desenvolvimento e urbanização do Brasil na narrativa de Maria Carolina de Jesus
21 Matheus Barbosa Martins Além de Vital Brasil
 

9

 

Matheus Morais Cruz

Um estudo numismático: levantamento e análise dos esquemas iconográficos militares de moedas da Palestina romana entre os século I e III EC
 

5

 

Milena Maria de Sá Silva

Dramaturgia no Século de Ouro espanhol: El vergonzoso en palacio, de Tirso de Molina (1624)
 

19

 

Paula de Souza Rosa

A expulsão da população boliviana do rio Madeira após o Tratado de Ayacucho (1867): um mito persistente
 

16

Paulo Antonio de Araujo Afonso Fascismo: uma reflexão sobre o termo, suas ditaduras e seus resquícios no imaginário contemporâneo
 

22

Paulo Roberto Marques de Oliveira Comércio, conhecimento e cultura: as sociedades centro-africanas no início do século XX a partir dos testemunhos de Frederick Starr
19 Paulo S. Moreira de Carvalho Relações Diplomáticas entre Portugal e Santa Sé – Século XVIII
12 Pedro José de Carvalho Neto As transformações no cinema de Eduardo Coutinho nos filmes Santo Forte, Edifício Master e Jogo de Cena
22 Pedro Marques das Neves Resenha Crítica sobre o livro “Bom dia camaradas”, de Ondjaki
 

22

 

Rafaél Antônio Cruz

Samory Touré e a resistência contra a dominação francesa na África do Oeste (1882-1898)
 

17

 

Rafael Carlos Lima Oliveira

Grandes capitalistas na modernização gentrificadora das cidades: O Conde de Prates e a remodelação do Anhangabaú
1 Rafael dos Santos Pires A espada e a palavra: Expansão e legitimidade durante o reinado de Tutmés III (1479-1425 a.C.)
18 Raiany Souza de Oliveira História da Ciência no Brasil: análise de um primeiro esforço historiográfico
24 Raphael dos Santos Gonçalves Espectadores do lazer: celebrações afro-brasileiras no século XIX
 

25

 

Regiane de Almeida nunes

Construção de uma memória: Resistências das mulheres feirenses à ditadura civil-militar (1975-1985)
 

8

 

Roberta Baessa Estimado

A escolarização de surdos e cegos no Brasil e na França: os primeiros institutos de educação especializada
4 Rodrigo Basílio Pereira de Souza Intolerância e Resistência: análise do testemunho dos combatentes à Ditadura Militar
10 Sabrina Hwang Os povos indígenas, a diversidade e a modernidade (sequência didática)
1 Sara Hosana Oderdenge Os Reis Escandinavos segundo Adam de Bremen
23 Tailane Machado Santos Memórias da escravidão em “Noites do Norte” e “Negro Drama”
 

2

 

Tatiana de Carvalho Castro

Haxan, a feitiçaria através dos tempos e o diálogo entre Bruxaria e mentalidades do século XV – XVIII
14 Thales Augusto Carnio Carpi Desenvolvimento do capitalismo e colonização: algumas contribuições
13 Thays Bueno Murrace Minkisi e releituras na cosmologia Bacongo
7 Thiago Constantino Garcia Indumentária e representação do corpo na Idade Média
 

14

 

Tomas L’Abbate Moreira

Governo e Estado no discurso de Tommaso Campanella sobre a Monarquia Hispânica (c. 1600)
 

25

 

Veronica Fernandes

A relação da Igreja Católica com as mulheres indígenas no sudeste brasileiro em fins do século XVI e início do século XVII
 

5

 

Vinícius da Cunha Bisterço

Viração noite adentro: os malandros e a metrópole no conto “Malagueta, Perus e Bacanaço” de João Antonio
18 Vinícius Veneziani de Souza Oliveira A História das Ideias Filosóficas no Brasil: uma reconstrução a partir de Silvio Romero
 

16

 

Willian de Almeida Silva

Tempos Ideológicos – Momentos de Rupturas. A dissidência militar brasileira nos anos de 1960

programacao-geral-atualizada-sem-mediadores

V Encontro de Pesquisa na Graduação em História – EPEGH 2016

Estão abertas as inscrições para o Encontro de Pesquisa na Graduação de História de 2016 (EPEGH). Convidamos todas e todos a apresentarem suas pesquisas, sejam elas individuais ou coletivas, com ou sem bolsa, em desenvolvimento ou já concluídas. Os trabalhos apresentados serão publicados nos anais do evento.

As inscrições podem ser feitas no link bit.ly/epegh2016

Um F.A.Q. está disponível em nosso Google Drive caso haja alguma dúvida: <<https://docs.google.com/document/d/1yvrVi_vYGTDX7cDHG6dKD7ca32Z4YvQj5ekE8JvzWPA/edit?usp=sharing>&gt;;

Ou contate-nos em epegh2016@gmail.com

 

CartazEPEGH Final copy

ESPECIFICAÇÕES DO TEXTO A SER PUBLICADO NOS ANAIS DO EVENTO
1. O texto deve estar em português;
2. É obrigação dos autores e das autoras fazer a revisão ortográfico seus textos;
3. Limite de páginas: de 8 a 15 páginas de texto escrito (fontes em anexo);
4. Data de entrega: até 24 de novembro pelo email epegh2016@gmail.com;
5. Formato Word (formato .doc e .docx), fonte Times New Roman, tamanho 12, espaçamento 1.5 e justificada. As notas de rodapé (devem estar ao final da página) com espaçamento 1, Fonte Times New Roman 10 e justificada. As margens devem ser: superior – 4cm, inferior – 3,7cm, esquerda – 3cm, direita– 2cm.;
6. Citação no corpo do texto: acima de 3 linhas, fonte tamanho 11, espaçamento simples (tamanho 1) e recuo de 3 cm;
7. Citação de internet: SOBRENOME, Nome, Título do trabalho: subtítulo. Disponível em <<link>>. Acessado em dia dd, mês de ano aaaa;
8. Citação de monografias: SOBRENOME, nome. Título da monografia: subtítulo, recorte cronológico. Ano de defesa. Número de folhas. Nível de graduação do texto (Doutorado/mestrado/livre-docência). Instituição de defesa, universidade vinculada, ano de depósito da monografia. Exemplo: SANTOS,Marco Aurélio dos. Geografia da Escravidão durante a crise imperial do Brasil: Bananal, 1850-1888. 2014. 281f. Tese (Doutorado) Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. ;
9. Citação de Livro: SOBRENOME, Nome, Título: subtítulo. Cidade: Editora, ano.;
10. Citação de capítulo: Exemplo:  Maria de Fátima Silva Gouvêa, “As bases institucionais da construção da unidade. Dos poderes do Rio de Janeiro joanino: administração e governabilidade no Império luso- brasileiro”, in István Jancsó (org.), Independência: História e Historiografia. São Paulo: Hucitec, FAPESP, 2005;
11. Citação de artigos em periódicos: Exemplo: Nuno Gonçalo Monteiro, “O ‘Ethos’ Nobiliárquico no final do Antigo Regime: poder simbólico, império e imaginário social”. Revista Almanack Braziliense, no 2, São Paulo, novembro de 2005;
12. Citação individual de Documentos: Instituição de guarda. Nome completo, local, ano. Sessão x. Caixa y. Páginas. Exemplo: Arquivo Público do Estado de São Paulo. Maços de população, Itu, 1764-1765. Lata 71. Microfilme 187. (Não usar idem, ibidem, op. cit. ou qualquer forma de padronização para citar mais de um documento de um mesmo tipo).

LISTA DE SELECIONADOS PARA ENTREVISTA

PROCESSO SELETIVO DO PET-HISTÓRIA

Beatriz Tadioto Ferreira Silva
Bruna Fernanda Vieira Silva
Daniela Ferrari de Oliveira
Kessis Soares de Sena
Letícia Maria de Alcântara Nogueira
Luciana Duarte Rodrigues da Costa
Rafael Mastronardi
Raphael dos Santos Gonçalves
Tailane Machado Santos

Quarta-feira, 30 de março, às 9:30 da manhã na sala do PET (última sala entrando na porta vermelha, ao lado da seção de alunos).

Esperamos vocês.